PHPCon Poland 2024

Básico sobre Contagem de Referência

Uma variável PHP é armazenada em um contêiner chamado "zval". Um zval contém, além do tipo e do valor da variável, dois bits adicionais de informação. O primeiro é chamado de "is_ref" e é um valor booleano que indica se a variável é parte de um "conjunto de referência" ou não. Com este bit, o motor do PHP sabe como diferenciar variáveis normais de referências. Como o PHP permite referências no nível do usuário, como as criadas pelo operador &, um contêiner zval também tem um mecanismo de contagem de referência interno para otimizar o uso de memória. Esta segunda parte de informação adicional, chamado "refcount", contém a quantidade de nomes de variáveis (também chamadas de símbolos) que apontam para este contêiner. Todos os símbolos são armazenados em uma tabela de símbolos, e existe uma por escopo. Existe um escopo para o script principal (ou seja, aquele requisitado através do navegador), assim como um escopo para cada função ou método.

Um contêiner zval é criado quando uma nova variável é criada com um valor constante, como em:

Exemplo #1 Criando um novo contêiner zval

<?php
$a
= "new string";
?>

Neste caso, o nome do símbolo, a, é criado no escopo atual, e um novo contêiner de variável é criado com o tipo string e o valor new string. O bit "is_ref" é por padrão definido para false porque nenhuma referência no nível do usuário foi criada. O "refcount" é definido para 1 já que existe apenas um símbolo que faz uso deste contêiner de variável. Note que referências (isto é, "is_ref" igual a true) com "refcount" igual a 1, são tratadas como se elas não fossem referências (como se "is_ref" fosse false). Se o » Xdebug estiver instalado, esta informação pode ser mostrada chamando-se a função xdebug_debug_zval().

Exemplo #2 Mostrando a informação zval

<?php
$a
= "new string";
xdebug_debug_zval('a');
?>

O exemplo acima produzirá:

a: (refcount=1, is_ref=0)='new string'

Atribuir esta variável a outro nome de variável irá aumentar o "refcount".

Exemplo #3 Aumentando o "refcount" de um zval

<?php
$a
= "new string";
$b = $a;
xdebug_debug_zval( 'a' );
?>

O exemplo acima produzirá:

a: (refcount=2, is_ref=0)='new string'

O refcount é 2 aqui, porque o mesmo contêiner de variável está ligado tanto com a quanto com b. O PHP é inteligente o suficiente para não copiar o contêiner real da variável quando não for necessário. Contêineres são destruídos quando o "refcount" atinge zero. O "refcount" é diminuído em uma unidade quando qualquer símbolo ligado ao contêiner da variável deixa o escopo (ex.: quando a função termina) ou quanto um símbolo perde a atribuição (ex.: chamando unset()). O exemplo a seguir mostra isso:

Exemplo #4 Diminuindo o "refcount" de zval

<?php
$a
= "new string";
$c = $b = $a;
xdebug_debug_zval( 'a' );
$b = 42;
xdebug_debug_zval( 'a' );
unset(
$c );
xdebug_debug_zval( 'a' );
?>

O exemplo acima produzirá:

a: (refcount=3, is_ref=0)='new string'
a: (refcount=2, is_ref=0)='new string'
a: (refcount=1, is_ref=0)='new string'

Se agora unset($a); for chamada, o contêiner da variável, incluindo o tipo e o valor, serão removidos da memória.

Tipos Compostos

As coisas ficam um pouco mais complexas com tipos compostos como arrays e objetos. Ao contrário dos valores escalares, arrays e objetos armazenam suas propriedades em uma tabela de símbolos própria. Isto significa que o exemplo a seguir cria três contêineres zval:

Exemplo #5 Criando um zval de array

<?php
$a
= array( 'meaning' => 'life', 'number' => 42 );
xdebug_debug_zval( 'a' );
?>

O exemplo acima produzirá algo semelhante a:

a: (refcount=1, is_ref=0)=array (
   'meaning' => (refcount=1, is_ref=0)='life',
   'number' => (refcount=1, is_ref=0)=42
)

Ou graficamenet

Zvals para um array simples

Os três contêineres zval são: a, meaning, e number. Regras similares se aplicam para aumento e redução de "refcounts". Abaixo, outro elemento é adicionado ao array, e define seu valor ao conteúdo de um elemento já existente:

Exemplo #6 Adicionando elemento já existente a um array

<?php
$a
= array( 'meaning' => 'life', 'number' => 42 );
$a['life'] = $a['meaning'];
xdebug_debug_zval( 'a' );
?>

O exemplo acima produzirá algo semelhante a:

a: (refcount=1, is_ref=0)=array (
   'meaning' => (refcount=2, is_ref=0)='life',
   'number' => (refcount=1, is_ref=0)=42,
   'life' => (refcount=2, is_ref=0)='life'
)

Ou graficamente

Zvals para um array simples com uma referência

Pela saída do Xdebug acima, pode-se perceber que tanto o elemento antigo do array quanto o novo agora apontam para um contêiner zval cujo "refcount" é 2. Embora a saída do Xdebug mostre dois contêineres zval com valor 'life', eles são o mesmo. A função xdebug_debug_zval() não mostra isso, mas pode-se ver isso mostrando o ponteiro de memória.

Remover o elemento de um array é como remover um símbolo de um escopo. Fazendo isso, o "refcount" de um contêiner ao qual um elemento do array aponta é reduzido. Novamente, quando o "refcount" atinge zero, o contêiner da variável é removido da memória. Um exemplo para mostrar isto:

Exemplo #7 Removendo um elemento de um array

<?php
$a
= array( 'meaning' => 'life', 'number' => 42 );
$a['life'] = $a['meaning'];
unset(
$a['meaning'], $a['number'] );
xdebug_debug_zval( 'a' );
?>

O exemplo acima produzirá algo semelhante a:

a: (refcount=1, is_ref=0)=array (
   'life' => (refcount=1, is_ref=0)='life'
)

Agora, as coisas ficam interessantes se o próprio array for adicionado como um elemento do array, o que é mostrado no exemplo a seguir, onde também um operador de referência foi inserido, senão o PHP criaria uma cópia:

Exemplo #8 Adicionando o próprio array como um elemento de si mesmo

<?php
$a
= array( 'one' );
$a[] =& $a;
xdebug_debug_zval( 'a' );
?>

O exemplo acima produzirá algo semelhante a:

a: (refcount=2, is_ref=1)=array (
   0 => (refcount=1, is_ref=0)='one',
   1 => (refcount=2, is_ref=1)=...
)

Ou graficamente

Zvals para um array com referência circular

Pode-se perceber que a variável do array (a) assim como o segundo elemento (1) agora apontam para um contêiner de veriável que tem um "refcount" de 2. Os "..." no exemplo acima mostram que há recursão envolvida, e que, obviamente, neste caso significa que os "..." apontam de volta ao array original.

Como antes, tirar a atribuição de uma variável remove o símbolo, e a contagem de referência do contêiner da variável à qual o símbolo aponta é reduzida em uma unidade. Então, se a variável $a perder a atribuição após execução do código acima, a contagem de referência do contêiner da variável à qual $a e o elemento "1" apontam será diminuída em uma unidade, de "2" para "1". Isto pode ser representado assim:

Exemplo #9 Removendo a atribuição de $a

(refcount=1, is_ref=1)=array (
   0 => (refcount=1, is_ref=0)='one',
   1 => (refcount=1, is_ref=1)=...
)

Ou graficamente

Zvals depois da remoção do array com um referência circular demonstrando o vazamento de memória

Problemas na Limpeza

Embora não haja mais um símbolo em nenhum escopo apontando para esta estrutura, ela não pode ser limpa porque o elemento "1" do array ainda aponta para este mesmo array. Como não há símbolo externo apontando para ela, não há como um usuário limpar esta estrutura; e aí acontece o vazamento de memória. Felizmente, o PHP irá limpar esta estrutura de dados no final da requisição, mas até lá, ela irá ocupar um espaço valioso na memória. Esta situação ocorre frequentemente quando se está implementando algoritmos de interpretação ou outros onde existe um elemento "filho" apontando de volta para um elemento "pai". A mesma situação também pode com certeza ocorrer com objetos, onde na verdade existe mais probabilidade de ocorrer, já que objetos são sempre implicitamente usados por referência.

Isso pode não ser um problema quanto acontecer somente uma ou duas vezes, mas se houver milhares, ou até milhões dessas perdas de memória, obviamente começa a ser um problema. É especialmente problemático em scripts de execução longa, como daemons onde a requisição basicamente nunca termina, ou em grande conjuntos de testes de unidades. Este último já causou problemas durante a execução de testes de unidades para o componente Template da bilioteca eZ Components. Em alguns casos, era necessário mais de 2GB de memória, que o servidor de testes não tinha.

add a note

User Contributed Notes 6 notes

up
15
Anonymous
9 years ago
There seems to be no way to inspect the reference count of a specific class variable but you can view the reference count of all variables in the current class instance with xdebug_debug_zval('this');
up
12
Anonymous
9 years ago
If a variable is not present in the current scope xdebug_debug_zval will return null.
up
8
shkarbatov at gmail dot com
6 years ago
Result of "Example #8 Adding the array itself as an element of it self" will be another for PHP7:

a: (refcount=2, is_ref=1)=array (
0 => (refcount=2, is_ref=0)='one',
1 => (refcount=2, is_ref=1)=...
)

insted of:
a: (refcount=2, is_ref=1)=array (
0 => (refcount=1, is_ref=0)='one',
1 => (refcount=2, is_ref=1)=...
)

Internal value representation in PHP 7:
https://nikic.github.io/2015/05/05/Internal-value-representation-in-PHP-7-part-1.html
up
7
skymei at skymei dot cn
4 years ago
$a = 'new string';
$b = 1;
xdebug_debug_zval('a');
xdebug_debug_zval('b');

ouputs with PHP 7.3.12 (cli)

a: (interned, is_ref=0)='new string'
b: (refcount=0, is_ref=0)=1
up
4
yuri1308960477 at gmail dot com
5 years ago
my php versoin : HP 7.1.25 (cli) (built: Dec 7 2018 08:20:45) ( NTS )

$a = 'new string';
$b = 1;
xdebug_debug_zval('a');
xdebug_debug_zval('b');

output:

a: (refcount=2, is_ref=0)='new string'
b: (refcount=0, is_ref=0)=1

if $a is a string value, 'refcount' equal 2 by defalut.
up
0
chxt2011 at 163 dot com
5 years ago
my php version is PHP 7.1.6 (cli), when I run

$a = 'new string';
$b = 1;
xdebug_debug_zval('a');
xdebug_debug_zval('b');

it shows:
a: (refcount=0, is_ref=0)='new string'
b: (refcount=0, is_ref=0)=1
To Top